Assinar Feed Assinantes

Seguir no Twitter Seguidores

Artigos publicados Artigos

Comentários recebidos Comentários

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Nada contra a situação do conto.


A FORCA?


A discussão na mesa do bar passava longe dos assuntos corriqueiros: futebol, mulher, política e religião. Neste dia os amigos estavam sérios, um mais triste que o outro, parecia uma marcha fúnebre a caminho de um enterro de um ente querido, choravam olhando o rosto de José. Hamilton era o mais inconsolável, as lágrimas brotavam incessantemente, sem nenhum esforço. Luiz não chorava, guardava a angustia dentro de si, e tal sentimento dilacerava sua alma. Armandão, depois da quinta ou sexta doses de uísque doze anos, falava dos momentos ao lado do invejável companheiro: as viagens, os babás, os carnavais, as mulheres. Tomaz, outro dos fanfarrões, abraçava Zequinha, a ponto de amassar e quase rasgar a camisa de marca (Lacoste) do amigo.





Para ter acesso a todo conteúdo do conto click no link e obtenha seu livro: http://www.clubedeautores.com.br/book/42143--Te_conto_em_um_minuto, pelo valor símbólico de R$ 10,00.

Obrigado.

By Vyctor Maya

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Nossa, Vyctor Maya

    adorei o modo como conduziu a narrativa. Curta, porém objetiva, até certo ponto, mantendo o grande mistério para o final. E lá se foi mais um grande amigo de farras, afinal, casar-se é amarrar-se e, pelo menos nos 3 primeiros anos, o amigo seria somente da amada. Realmente, o elemento surpresa me fascinou *-*

    Parabéns... Contos curtos e bem estruturados são singulares e cativantes. E o seu me cativou.

    beijos, Blyef

    ResponderExcluir
  3. Limito-me a dizer que está fantástico!

    ResponderExcluir
  4. Muito bom! O humor do seu texto é cativante, parabéns!

    ResponderExcluir